Nova pagina 1
     HOME
     Escritório
     Áreas de Atuação
     Notícias
     Econews
     LINKS

     CONTATOS
 
 
Cadastre seu e

Cadastre-se para receber nosso informativo.
 

Nome

E-mail

        

 
 

Notícias - Novembro/2018

 

Justiça proíbe implantação de condomínio em Governador Celso Ramos/SC

[07/11/2018]

A Justiça Federal deferiu pedido liminar do Ministério Público Federal - MPF no sentido de determinar a vedação de construções e de alterações em todo o terreno pretendido pelo Condomínio Residencial Mirante das Baías, na localidade de Camboa, no município de Governador Celso Ramos/SC. Os réus no processo devem interromper imediatamente alterações em áreas de preservação permanente, em bens da União e de remanescentes de Mata Atlântica, com exceção de obras de recuperação ambiental devidamente aprovadas, bem como para retirar qualquer entulho ou maquinário do local.

O MPF requereu também a suspensão dos efeitos dos atos administrativos autorizadores (alvará ou licença ambiental) porventura concedidos ao empreendimento em questão.

A Justiça determinou, por outro lado, a intervenção imediata nos processos erosivos constatados na área, especialmente por meio do plantio de mata nativa, sob indicação e fiscalização do Instituto do Meio Ambiente - IMA do estado de Santa Catarina. A decisão judicial estabeleceu, ainda, a preservação dos elementos hídricos lá constatados pela perícia da Polícia Federal, comprovando a adoção de tais medidas nos autos em até 30 dias.

Além do IMA, são réus no processo o município de Governador Celso Ramos, as empresas Lupa Incorporações, SM Administradora de Bens, J.V. Consultoria e Participações, Map Incorporações e Summerview 78 Empreendimentos Imobiliários SPE. Além dos particulares Ricardo Alves Rabelo, Edmar Jose da Rold, Suseli Saffe de Araujo da Rold e Fernanda Selbach Selbach Fernandes.

Foi fixado prazo de 30 dias para o cumprimento da decisão liminar, sob pena de aplicação de multa diária no valor de R$ 5 mil, independente da possibilidade da caracterização de improbidade em relação aos agentes públicos envolvidos.

Fonte: MPF.